Prevenindo trombose venosa em viagens

Com a chegada das férias, muitas viagens estão programadas. Seja de avião, carro ou ônibus, muitas pessoas acabam passando horas sentadas, havendo um grande risco de desenvolverem trombose venosa, conhecida nesses casos como síndrome do viajante.

 

A impossibilidade de andar ou movimentar as pernas acaba fazendo com que o sangue coagule dentro da veia da perna. É uma doença que acontece subitamente após a formação de um trombo (uma espécie de coágulo) dentro do sistema venoso mais profundo, especialmente nas pernas e coxas. Esse trombo pode ainda seguir o trajeto da veia e obstruir o fluxo sanguíneo mesmo distante do local em que se formou, levando a condições de saúde grave.

 

Viagens longas são aquelas com mais de 3 horas de duração, aumentando de 2 a 4 vezes o risco de tromboembolismo. A maior parte das pessoas que tem trombose numa viagem tem no mínimo um fator de risco, mas o que pode acontecer é que ela não sabe que tem esse risco aumentado.

 

Por isso, além do check-up vascular, as principais dicas são levantar e andar no corredor do avião a cada duas horas ou fazer paradas para “esticar as pernas”, flexionar e estender os pés a cada hora, usar roupas confortáveis e beber bastante líquido.

Escleroterapia apenas com cirurgião vascular

De acordo com a Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), cerca de 35% da população brasileira sofre com varizes. Apesar de poder apresentar complicações sérias, como a trombose, é comum que a doença seja relacionada somente a aspectos estéticos, fazendo com que muitos procurem profissionais não especializados para realizarem procedimentos de escleroterapia, também conhecida como aplicação de vasinhos. Pensando nessa negligência, a SBACV lança a Campanha Nacional de Escleroterapia, que busca conscientizar a população sobre a relevância da intervenção médica adequada na recuperação dos pacientes acometidos pelas temidas varizes.

 

“Quando o paciente recorre a uma solução equivocada para as varizes, ele se expõe a um enorme risco. Apesar de parecerem simples a princípio, os métodos de escleroterapia quando mal executados podem causar úlceras graves, manchas escuras, inflamação de veias e até trombose profunda”, explica o presidente da SBACV Regional Ceará, Dr. Frederico Linhares. Além disso, um diagnóstico incorreto pode favorecer a evolução da doença, causando hemorragias e complicações cutâneas nos membros atingidos. Em casos mais graves, pode ocorrer aumento do risco de uma embolia pulmonar devido aos coágulos formados nas veias com o decorrer do tempo.

 

Por esse motivo, os profissionais indicados para a análise da doença são os angiologistas ou os cirurgiões vasculares, já que apenas essas especialidades médicas apresentam o conhecimento adequado para o acompanhamento e tratamento da doença. Portanto, buscar auxílio de um angiologista ou cirurgião vascular garante um diagnóstico da real dimensão do problema e de patologias secundárias, sendo indicado o melhor tratamento a depender do grau da doença varicosa.

Síndrome Metabólica e Doenças Vasculares

Você sabia que o sedentarismo e a má alimentação podem aumentar os riscos de doenças cardiovasculares e problemas vasculares periféricos? Resultado dessa falta de cuidados, a Síndrome Metabólica é uma doença da civilização moderna e que pode gerar diversas complicações no sistema circulatório.

 

Obesidade, circunferência abdominal aumentada e taxas elevadas de pressão arterial, glicose e triglicerídeos são alguns dos fatores que causam o estreitamento dos vasos sanguíneos e, em casos mais graves, ataques cardíacos e derrames cerebrais.

 

Praticamente todos os componentes da síndrome são inimigos ocultos porque não provocam sintomas, mas representam fatores de risco para doenças cardiovasculares graves. As manifestações começam na idade adulta ou na meia-idade e aumentam muito com o envelhecimento. O número de casos na faixa dos 50 anos é duas vezes maior do que aos 30, 40 anos. Embora acometa mais o sexo masculino, mulheres com ovários policísticos estão sujeitas a desenvolver a síndrome metabólica, mesmo sendo magras.

 

Quer cuidar do seu sistema vascular? A dica é começar a praticar atividades físicas e adotar uma alimentação saudável!